Cansei de Ser Sexy analisando signos

13 08 2010

Curti esse video porque parece bem com as minhas análises, inclusive o método empírico da coisa, feitas pela escorpiniana Luiza Sá:





escorpiana amor e ódio

11 09 2008

Se prepare. Uma escorpiana não se ama. Se enfrenta! As mulheres deste signo são donas de um poder mental muito forte. Por isso é aconselhável tomar muito cuidado com os jogos psíquicos dela. É preciso mesmo fazer uma escolha: entrar ou não entrar nesses jogos. Se estiver disposto, entre, pois ao mesmo tempo que ela joga, adora aqueles que sabem jogar. Mas entre pra valer. E se prepare para muito, muito sexo uma disputa árdua, nos campos mental e psíquico, mas com com grandes reflexos nos campos erótico e sensual.

Amor e ódio

Uma escorpiana nunca será uma mulher comum. Nunca terá um olhar de songa monga. Ela se entrega de corpo e alma. Ama e odeia com muita força. Para caras (como eu) que gostam de sexo, muito sexo mulheres de personalidade forte, a escorpiana é A mulher!

A gatíssima Roberta Sá (que é sagitariana), canta essa música, que tem muito a ver com a escorpiana:

Samba de Amor e Ódio
Roberta Sá

Não há abrigo contra o mal
Nem sequer a ilha idílica na qual
A mulher e o homem vivam afinal
Qual se quer
Tão só de amor num canto qualquer.

Erra quem sonha com a paz
Mas sem a guerra
O céu existe pois existe a terra
Assim também nessa vida real
Não há o bem sem o mal.

Nem amor sem que uma hora
O ódio venha
Bendito ódio
Ódio que mantém a intensidade do amor
Seu ardor, a densidade do amor, seu vigor
E a outra face do amor vem a flor
Na flor que nasce do amor.

Porém há que saber fazer sem opor
O bem ao mal prevalecer
E o amor ao ódio incerto em nosso ser se impor
E a dor que acerta o prazer sobrepor
E ao frio que nos faz sofrer o calor
E a guerra enfim a paz vencer.

Erra quem sonha com a paz
Mas sem a guerra
O céu existe pois existe a terra
Assim também nessa vida real
Não há o bem sem o mal.

Nem amor sem que uma hora
O ódio venha
Bendito ódio
Ódio que mantém a intensidade do amor
Seu ardor, a densidade do amor, seu vigor
E a outra face do amor vem à flor
Na flor que nasce do amor.

Na flor que nasce do amor…
Na flor que nasce do amor…
Na flor que nasce do amor…